O Parapsicólogo: Duvidar Para Ter fé

30 Mar 2019 07:09
Tags

Back to list of posts

<h1>Pensata, Por Rodrigo De Almeida</h1>

<p>Se pretendesse ser original, esse texto deveria N&Atilde;O come&ccedil;ar ent&atilde;o: h&aacute; um pouco mais de 30 anos, Ana Cristina C&eacute;sar morreu; jogou-se da janela do apartamento dos pais, aos trinta e um anos, no Rio de Janeiro (era vinte e nove de outubro). Po&eacute;tica, editado com o esmero e a particularidade usuais da Companhia e lan&ccedil;ado pela semana passada, tem a curadoria editorial e exposi&ccedil;&atilde;o do poeta e companheiro Armando Freitas Filho, posf&aacute;cio da professora Viviane Bosi e um robusto ap&ecirc;ndice. S&atilde;o livros fora de cat&aacute;logo h&aacute; d&eacute;cadas, como A teus p&eacute;s e In&eacute;ditos e dispersos, originalmente publicados pela Brasiliense. Nada de que pade&ccedil;a o lan&ccedil;amento ajeitado por Armando Freitas Filho.</p>

<p>Seja nos textos delimitados pelo ponto conclus&atilde;o da poeta, seja nos inacabados (que Freitas Filho batizou de “visita &agrave; oficina”), Po&eacute;tica tem o m&eacute;rito de englobar num volume &uacute;nico, de maneira in&eacute;dita, a obra em poesia de Ana Cristina. Freitas Filho era o melhor companheiro de Ana Cristina: naquele 29 de outubro, ambos se falaram em torno de 12h30. Pouco depois das treze horas, a m&atilde;e dela telefonou desesperada, contando que a filha se jogara da janela.</p>

<p>Alguns dias mais tarde, levaria ao apartamento de Freitas Filho 4 caixas de papel&atilde;o repletos de escritos. Ana Cristina deixara para ele a responsabilidade de tomar conta postumamente de suas publica&ccedil;&otilde;es. Po&eacute;tica abre com Cenas de abril, de 1979. No livro de estreia, ela ensaia muito do que viria depois: pudor e provoca&ccedil;&atilde;o, &iacute;ntimo e universal, masculino e feminino. Estou linda que &eacute; um desperd&iacute;cio. Hoje beijo os pacientes na entrada e pela sa&iacute;da com desvelo t&eacute;cnico. Busca Pela Austr&aacute;lia: Faculdade De Sydney Oferece Bolsas Para Mestrado E PhD - &Eacute;poca NEG&Oacute;CIOS /p&gt;
</p>
<p>Freud e eu brigamos muito. O livro prossegue com Correspond&ecirc;ncia completa, do mesmo ano, assinado como Ana Cristina C (desta maneira mesmo). Um livreto bem humorado composto de uma s&oacute; carta, de J&uacute;lia para uma pessoa n&atilde;o nomeado, tendo como “ O Que &eacute; E Onde Fazer confessos”, tirados da vida real, Mary e Gil. Luvas de pelica (1980) re&uacute;ne poemas escritos na Inglaterra, pra onde ela foi fazer mestrado em tradu&ccedil;&atilde;o liter&aacute;ria na Universidade de Essex.</p>

<h2>A paix&atilde;o, Reinaldo, &eacute; uma fera que hiberna precariamente.</h2>
<p>Ficam evidentes marcas de seu estilo: a como&ccedil;&atilde;o de perda, melancolia e desnorteio. Eu s&oacute; enjoo no momento em que olho o mar, me argumentou a comiss&aacute;ria do sea-jet. Estou partindo com suspiro de al&iacute;vio. A paix&atilde;o, Reinaldo, &eacute; uma fera que hiberna precariamente. Esquece a paix&atilde;o, meu bem; nesses campos ingleses, deste lago com patos, atr&aacute;s das altas vidra&ccedil;as de onde leio os metaf&iacute;sicos, meu bem.</p>

<ul>

<li>Conhe&ccedil;a as etapas do modo seletivo</li>

cursos.jpg

<li>M&atilde;o dupla*</li>

<li>EDINGER, Edward F. Sugest&otilde;es E Not&iacute;cias Sobre o assunto Os Concursos Abertos , SP, Cultrix, 1989</li>

<li>11- Ensine seus filhos como serem ricos</li>

</ul>

<p>N&atilde;o necessite nada que perturbe este lago imediatamente, bem. N&atilde;o pega mais o meu corpo humano; n&atilde;o pega mais o teu organismo. N&atilde;o escrevo mais. Estou desenhando em uma vila que n&atilde;o me pertence. N&atilde;o imagino na partida. Meus garranchos s&atilde;o hoje e se acabaram. Explico mais ainda: discutir n&atilde;o me tira da pauta; irei ir a desenhar; pra sair da pauta. Como reconhece Freitas Filho, em A teus p&eacute;s (1982) Ana Cristina Cesar voltaria assumida &agrave; tua assinatura oficial, eliminaria a abreviatura, tiraria a m&aacute;scara dos &oacute;culos escuros e recuperaria a tua identidade como poeta sem disfarces.</p>

<h2>Di&aacute;logo de surdos, n&atilde;o: amistoso no gelado.</h2>
<p>Aparecem especialmente textos ultrassint&eacute;ticos, contudo desdobr&aacute;veis em algumas leituras. “Ana C. concede ao leitor”, escreveu o conhecido Caio Fernando Abreu, “aquele saboroso alegria meio proibido de espiar a intimidade alheia pelo buraco da fechadura”. Di&aacute;logo de surdos, n&atilde;o: amistoso no frio. As mulheres e as crian&ccedil;as s&atilde;o as primeiras que desistem de afundar navios. Preciso reverter e ver aqueles dois quartos vazios.</p>

<p>Do espelho em frente. Como se v&ecirc;, Ana Cristina Cesar toca muito as mulheres. Moderna e liberta, fala abertamente de seu corpo humano e de sua sexualidade, ao mesmo tempo derramando-se em uma delicadeza que, &agrave; primeira visibilidade, poderia conflitar com o feminismo vigente na data. Embates de um feminino inquieto, como define o poeta e professor Italo Moriconi, ao expor Po&eacute;tica.</p>

<p>No cap&iacute;tulo de in&eacute;ditos, “Visita &agrave; oficina”, h&aacute; um objeto mais curto e definitivamente de pequeno relev&acirc;ncia do que os agora publicados. S&atilde;o assim como poemas inacabados, um deles escrito ainda pela adolesc&ecirc;ncia, aos dezesseis anos. Por ele recebeu nota dez da professora e o elogio: “Lindo! Em outro exibe uma maturidade incomum para a idade: “Estar em fraude - n&atilde;o consigo mesmo, n&atilde;o consigo mesmo.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License